Constelação Familiar Sistêmica

A Constelação Familiar Sistêmica é um processo no qual o indivíduo acessa informações no campo de memória sistêmico familiar e então ressignifica os sentimentos relativos aos comportamentos dele e dos outros integrantes do sistema. Pode-se dizer que a Constelação Familiar Sistêmica permite ao indivíduo reescrever a própria história.

Muitas das decisões que um indivíduo toma durante a vida, são influenciadas por sentimentos, desejos e impressões oriundas de informações contidas na
memória sistêmica, ou campo sistêmico. O campo sistêmico guarda, de uma forma geral, as memórias dos antepassados do indivíduo. Parte dessa memórias podem ser conclusões equivocadas ou palavras e interpretações de atos que ocorreram em um contexto diferente do atual e provocam uma desestabilização no sistema, ao influenciar negativamente as pessoas de uma família.

Sentimentos de não pertencimento, de exclusão física ou moral, de incapacidade, por exemplo, podem estar ligados à forma como nossos antepassados se comportaram diante de acontecimentos com os quais se envolveram, juntamente com outras pessoas com as quais se relacionaram no passado.

Assim como herdamos os traços físicos através da genética, herdamos também pendências, anseios, incompreensões, vícios, sentimentos relacionados à incapacidade de demonstrar afeto e carinho aos nossos pertencentes e familiares. Esses sentimentos (ou a falta deles) podem estar relacionados a um padrão sistêmico que vem se repetindo através das gerações. Muitos desses sentimentos podem estar influenciando as decisões do indivíduo de forma inconsciente, levando-o a repetir padrões como forma de honrar a fidelidade sistêmica.

A fidelidade sistêmica é um mecanismo pelo qual o indivíduo tenta compensar um sentimento transcendental que é o equilíbrio entre “dar e receber”. Através dos pais, o indivíduo recebe o presente que é a vida. Durante toda sua existência, o indivíduo procura retribuir esse presente mesmo que inconscientemente, e uma das formas de se fazer isso é honrando os antepassados. O problema é que muitas vezes o indivíduo se vê na obrigação de honrar um equívoco. Talvez o antepassado tenha extrapolado regras sociais ou familiares e gerado um desequilíbrio sistêmico, ao desprezar ou hostilizar pessoas da família, ao se envolver em episódios de violência ou traição, disputas por terras ou por poder. Esse comportamento do antepassado pode ter causado sentimentos carregados de carga emocional nas pessoas da família que ficaram registrados na memória sistêmica como algo ruim. O indivíduo hoje, sente o dever de honrar o antepassado, por força da lei do dar e receber, mas a consciência dele refrata os sentimentos oriundos das “lembranças inconscientes” que ele tem acesso, causando o desequilíbrio. Isso explicaria, por exemplo, pessoas que começam um relacionamento e terminam ele de forma inesperada. Explicaria, por exemplo, projetos que são abandonados antes do término. Explicaria, por exemplo, sentimentos discriminatórios, ou anti-sociais.

A boa notícia é que através do movimento de constelação familiar sistêmica, o indivíduo pode acessar informações do campo sistêmico relacionadas a acontecimentos vividos pelos seus antepassados e que podem ter tido um cunho emocional forte o bastante para desequilibrar as Ordens do Amor.

As Ordens do Amor pressupõem que o amor flui seguindo uma hierarquia, ou seguindo uma regra universal e incontestável. A partir do movimento de constelação o indivíduo toma consciência de acontecimentos que ele não conhecia sobre os antepassados e os relacionamentos deles com a família e com outras pessoas. Informações sobre atos e comportamentos equivocados, sobre exclusões morais ou físicas de membros da família e até mesmo informações de “membros desconhecidos” da família, como é o caso de filhos fora do casamento e/ou relacionamentos anteriores ao casamento. Muitas informações vêm de forma simbólica ou lúdica e devem ser acolhidas e entendidas sem julgamento. Não se muda o passado. Muda-se a interpretação que se dá ao fato em si.

É sabido que temos um campo energético individual que está ligado e circunda nosso corpo físico. Pressupõem se que esse campo energético é como se fosse um corpo energético e que está ligado também à nossa consciência. Linhas terapêuticas concordam que esse corpo energético está ligado às nossas emoções e sentimentos. “É esse corpo que sente o que sentimos”. Por ser um corpo de energia, esse corpo está sujeito às leis que regem as energias do Universo, e portanto pode ser afetado por fluxos de energias que nos circundam e preenchem todo o Universo. Parte dessas energias são geradas pelos pensamentos das pessoas. O pressuposto, nesse caso, é que pensamentos ruins causam desequilíbrios energéticos e afetam nosso campo energético ou nosso corpo energético. Como estão ligados entre si, nosso corpo físico e nossa consciência também “sentem” essas alterações sejam elas boas ou não.

É sabido, por exemplo, que algumas pessoas podem desenvolver doenças psicossomáticas, decorrentes desses desequilíbrios energéticos. Ou seja, estamos propondo que pensamentos geram sentimentos, e sentimentos geram comportamentos. Mudar o pensamento é um primeiro passo no sentido de mudar um sentimento e consequentemente, mudar um comportamento. O movimento de constelação promove o reconhecimento de fatos anteriores que podem estar contribuindo e afetando os pensamentos e sentimentos do indivíduo. Essa reinterpretação tende a trazer o alívio dos sentimentos e a
clareza dos pensamentos e mudar drasticamente ou de forma sutil, qualquer comportamento que possa estar desalinhado com os desejos e anseios dele. A magia da constelação é que: quando o indivíduo muda seu pensamento em relação a um fato, essa nova informação é reescrita no campo de memória sistêmica da família dele, promovendo então, um realinhamento geral nos sentimentos das outras pessoas da família, uma vez que elas também acessam de forma inconsciente o mesmo campo. Ou seja, o indivíduo reescreve a historia da família dele, com nova conotação sobre os acontecimentos passados, dando mais leveza aos sentimentos que se propagam a cada pessoa da família, uma vez que ele faz isso usando uma linguagem pura, baseada no amor e no respeito, com carga emocional proporcional ao fato, e principalmente, sem julgamento. A reinterpretação de um fato pode significar a libertação do indivíduo que está, de alguma forma, preso ao passado, saiba ele disso ou não.

Muitas pessoas que passaram por movimentos de constelação nos deram depoimentos parecidos: “O sentimento que resta é de leveza e libertação”, muitas vezes ligados a novos sentimentos de pertencimento e reconhecimento. A Constelação Familiar Sistêmica é mais uma ferramenta terapêutica para auxiliar o indivíduo que está em busca de reconhecimento, de clareza de pensamentos, de libertação dos nós do passado, de evolução e desenvolvimento pessoal.

Mais Informações sobre o curso:

Tempo de duração

2 a 3 Horas

Próxima Turma:

18 de Setembro

Local:

Soul Ápice

Moisés Marcelino

Moisés Marcelino

Facilitador
  • Formação em Máster em PNL Sistêmica, Hipnoterapeuta e Coaching pela Escola Brasileira de PNL;
  • Formação em Renascimento (Rebirth) pelo Instituto Metamorfose;
  • Terapeuta Transpessoal pelo Instituto Humanitatis;
  • Facilitador em Constelação Familiar Sistêmica.

PREENCHA O FORMULÁRIO ABAIXO

Entraremos em contato para confirmar a sua participação

Open chat