DICAS | Como lidar com crianças com dificuldade de aprendizagem ou hiperatividade

Muitas famílias e muitas escolas se sentem perdidos em relação a manutenção do comportamento de crianças que não aprendem dentro da idade esperada e/ou que apresentam agitação constante, sendo um desafio mantê-las dentro da aquisição de certos conhecimentos esperados para sua idade e de acordo com cumprimento de regras e deveres. Assim, essas crianças são vivenciadas com certa tensão pelos adultos que o cercam já que não sabem administrar essa questão. Então, você pai, mãe e professor, vale conferir as dicas abaixo:

  1. Pais, frente a um cenário de dificuldade de aprendizagem e/a hiperatividade, é importante buscar ajuda de outros profissionais, além de médicos, para ajudá-los a lidar com a criança de maneira mais efetiva, como psicólogos, fonoaudiólogos, psicopedagogos e outros professores. É importante que mantenham contato constante com eles e convide-os para reuniões que visem troca de experiências e orientações.
  1. Professores, vocês não são de ferro! Faça aliança com os pais e os encontrem frequentemente. Isso evita que eles sejam chamados apenas em momentos de crise. Afinal, o trabalho para com a criança é sempre em equipe!
  1. Tenham paciência! Isso não significa ser passivo, permissivo e excessivamente tolerante. Mantenha a disciplina e os limites sem exageros. Além disso, é importante que a rotina faça parte do cotidiano da criança para que ela tenha maior previsibilidade de suas atividades.
  1. Sempre elogiem a criança quando ele conseguir se comportar bem e realizar as tarefas. É melhor do que o punir diversas vezes quando desobedecer. Neste último caso, estimule-o a compensar os erros que cometeu. Exemplo: se desorganizou algo, estimule a organizar; se ofendeu o colega, estimule-o a se desculpar. Sempre o lembrando da empatia! Isso terá vários efeitos: mostrar qual é o comportamento correto, fazê-lo sentir útil e diminuir sua frustração com o erro.
  1. A criança distraída e/ou hiperativa deve sentar perto do professor e de um colega afetivo/positivo. Longe da passagem de pessoas, de janelas, portas e amigos tagarelas, ou seja, longe de distrações.
  1. Algumas crianças têm dificuldade em organizar suas próprias regras e comportamentos. Os adultos devem deixar as regras bem claras e visíveis. A criança deve saber com clareza o que é esperado dela.
  1. Estabelecer contato com o olhar. Olhando nos olhos da criança, pais e professores podem “acordá-la” de suas distrações. Isso também é válido em situação de broncas e elogios.
  1. Não gritar! Ao se dirigir a criança, seja assertivo em sua exposição: seja firme, mas gentil e afetuoso.
  1. As orientações devem ser claras e curtas, com vocabulário simplificado. Tanto na orientação falada, quanto na escrita.
  1. Divida tarefas complexas em várias orientações simples. Muitas vezes, tarefas longas sobrecarregam a criança, que pode imaginar que não vai conseguir chegar até o final. Desanimando-a e frustrando-a.
  1. Professores, Pensem na possibilidade de a criança sair por alguns instantes da sala. Isso pode diminuir sua inquietação e dispersão. É melhor perder alguns momentos da aula do que a aula inteira.
  1. Repita as orientações e ordens sempre quando necessário, de forma clara e calma. Quando ocorre irritação por parte dos familiares e professores, a criança pode se frustrar ou se sentir culpado, desmotivando-o na atividade proposta.
  1. Permitam que as atividades em sala de aula e lições de casa se aproximem do lúdico.
  1. Em uma atividade, aguarde um pouco o tempo de resposta da criança, ela pode ainda estar processando o que irá dizer ou fazer.
  1. Professores, Pensem na possibilidade de a criança sair por alguns instantes da sala. Isso pode diminuir sua inquietação e dispersão. É melhor perder alguns momentos da aula do que a aula inteira.
  1. Escola, considerem a possibilidade de usar tecnologias na aprendizagem. Se a instituição não oferece recursos, busque formas de isso ser utilizado em lições de casa. Por exemplo, compartilhar links de atividades com os pais e propor que os realizem em casa. Algumas crianças possuem dificuldades na escrita e leitura, mas dominam bem as tecnologias.
  1. Estabeleça metas individuais, “troque ideias” com a criança. Ela se sentirá acolhida e valorizada.

Naturalmente, um cenário onde a criança possui dificuldade de aprendizagem e/ou hiperatividade envolve ansiedade por parte dos adultos que a acompanham. Muitas vezes, surgem questionamentos como “Quando essa criança vai aprender?”; “Será que é frescura? Preguiça? Birra?”. Acima de tudo, é importante compreender que essas crianças possuem seu ritmo bem específico de aprendizagem pedagógica e comportamental, então tenham cuidado nas comparações com outras crianças! Pessoas como Fernando Pessoa, Beethoven, Albert Einsten e tantos outras figuras/pensadores importantes, aparentemente, possuíram dificuldades de aprendizagem. Ou seja, ter características de desatenção e agitação não significa fracasso, apenas é necessário a adoção de diferentes estratégias de condução do ensino e das regras para que essas crianças descubram o melhor de si!